Assembleia recebe Ciclo de Debates sobre Incubadoras e Parque Tecnológico

By 14 de August de 2014 Incubators, Technology Park No Comments
foto

The Assembleia Legislativa Plenary (ALMG) recebeu na última terça-feira, 12, o Ciclo de Debates Incubadoras e Parques Tecnológicos em Minas e suas contribuições para o Desenvolvimento Socioeconômico do Estado. Com programação prevista para o dia todo, os assuntos foram divididos entre o período da manhã e da tarde. O evento tinha como objetivo contextualizar o conceito de incubadoras e parques tecnológicos, as contribuições e os resultados desses ambientes de inovação para a sociedade; discutir estratégias e ações para a dinamização dos processos de geração de empreendimentos inovadores, intensivos em conhecimento, no âmbito das incubadoras de empresas; debater e propor políticas públicas de apoio e incentivo aos parques e incubadoras; debater o potencial de ampliação da capacidade de geração de empreendimentos inovadores; definir políticas de apoio e incentivo à atração de empreendimentos para os parques científico-tecnológicos de Minas Gerais e contribuir para a manutenção de um diálogo entre ALMG e o movimento mineiro de parques e incubadoras.

O Presidente da Rede Mineira de Inovação(RMI), Prof. Renato Nunes, abriu o Ciclo de Debates apresentando dados sobre os ambientes de inovação de Minas. De acordo com o presidente, o Estado conta com 23 incubadoras de empresas, seis parques tecnológicos (divididos entre implantação e operação). Ao todo, o número de empresas incubadas e já graduadas somam aproximadamente 500 empreendimentos. As incubadoras de empresas geraram 5 mil postos de trabalho, R$1,6 bilhão em faturamento e R$4,9 milhões em impostos pagos. Ainda de acordo com Renato, os investimentos direcionados a estes ambientes de inovação são rapidamente repostos pelos impostos arrecadados e a geração de novos empregos.

A Profa. Francilene Procópio, Presidente da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e diretora-geral da Fundação Parque Tecnológico da Paraíba, ministrou, na parte da manhã, a palestra magna sobre incubadoras de empresas e Parques Tecnológicos: cenário atual e perspectivas. De acordo com a diretora da Anprotec, os ambientes de inovação são ferramentas fundamentais para o desenvolvimento sustentável no país e que o apoio aos de parques e incubadoras, por parte dos Estados, é essencial para o fomento de políticas e promoção de empreendimentos inovadores.  Ainda na parte da manhã, foram discutidos os financiamentos de parques científico-tecnológicos com a apresentação da Maria Luisa Campos Machado Leal, presidente substituta da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), e do Paulo Renato Cabral, diretor do Instituto Inovação de Minas Gerais. O coordenador geral de Serviços Tecnológicos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Jorge Mario Campagnolo, apresentou como os parques tecnológicos e incubadoras de empresas criam condições para mudar o cenário de inovação. Segundo ele, um dos entraves para o desenvolvimento da inovação é conseguir transformar o conhecimento em negócio, e os parques e incubadoras tem capacidade para promover a ponte entre o meio gerador de conhecimento e o mercado.
Na parte da tarde, o diretor-presidente do BH-TEC, Prof. Ronaldo Pena, apresentou o panorama do Parque Tecnológico de Belo Horizonte e propostas para aumentar a atratividade dos ambientes de inovação do Estadp. Pena, utilizou como base O Ranking de Gestão e Competitividade dos Estados Brasileiros que consiste em um levantamento elaborado pela Unidade de Inteligência do grupo inglês Economist, patrocinado pelo Centro de Liderança Pública. O objetivo do estudo é ajudar a balizar os administradores públicos, para que promovam as reformas necessárias a fim de atrair investimentos estrangeiros e nacionais. De acordo com o ranking, Minas Gerais caiu do terceiro para o sexto lugar de 2011 para 2013/2014 no quesito competitividade para atração de investimento. Para o Diretor, é necessário entender os motivos que levaram a queda de posição do Estado mineiro no ranking.Com o intuito de refletir sobre  políticas públicas para atração de investimentos e empresas de inovação no Estado, o diretor-presidente do BH-TEC realizou um benchmark com os demais Parques Tecnológicos do país, identificando  as principais políticas de atratividade em seus respectivos Estados. Tais políticas podem auxiliar na elaboração das ações para Minas Gerais. O Painel sobre povoamento dos Parques ainda contou com a participação do pró-reitor de Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento e professor titular da faculdade de Informática da PUC-RS, Jorge Luis Nicolas Audy, e da diretora de Fomento ao Empreendedorismo da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (SEDE), Marina Brandão Dutra. Participaram do painel sobre incubadoras de empresas, o gerente da Unidade de Acesso à Inovação e Tecnologia do Sebrae Nacional, Enio Duarte Pinto, o vice-prefeito e secretário municipal de Ciência e Tecnologia de Santa Rita do Sapucaí, Wander Wilson Chaves, a diretora executiva do Centro Tecnológico de Desenvolvimento Regional de Viçosa (CenTev/UFV), Adriana Ferreira e o Diretor de Empreendedorismo da Sociedade Mineira de Software (Fumsoft), Daniel Diniz.

Para encerrar o evento, o diretor-presidente do Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo do Estado de Minas Gerias, André Barrence, apresentou o Programa Seed, fruto de uma política pública voltada para o empreendedorismo e inovação no Estado. De acordo com Barrence, o lançamento do Seed só foi possível após a criação do marco legal do programa que contempla a Lei Estadual nº 20.704 de 03 de Junho de 2013 e o Decreto Estadual nº46.258, de 18 de junho de 2013.  Enquanto a lei permite ao Poder Executivo conceder incentivo financeiro à pessoa física que desenvolva projeto de negócio de base tecnológica no Estado, o decreto regulamenta a concessão de incentivo financeiro à pessoa física, nacional ou estrangeira, que desenvolva projeto de negócio de base tecnológica no Estado.

O ciclo de Debates foi mediado pelo Deputado Estadual Ulysses Gomes (PT) e também contou com a participação dos parlamentares Adelmo Carneiro Leão (PT) e Paulo Lamac (PT). Apesar do consenso de que a inovação é um dos pilares para o desenvolvimento econômico, tanto regional quanto nacional, essa foi a primeira vez em que o tema foi debatido com os parlamentares na Assembleia. Para a Gestora-Executiva de Projetos do BH-TEC, Mariana de Oliveira Santos, esse primeiro contato é importante para que os deputados percebam a importância da inovação tecnológica como motor do desenvolvimento e coloquem isso como prioridade em suas políticas. “Esse Ciclo de Debates contribui para a necessária aproximação com a Assembleia, e poderá ajudar a envolver os legisladores no fomento à inovação no Estado, eventualmente adequando ou criando leis que facilitem o crescimento e a consolidação dos ambientes de inovação de Minas Gerais”, conclui.

Leave a Reply