Conheça os novos empreendimentos do BH-TEC

Por 10 de julho de 2018 Sem categoria Sem Comentários

Ecossistema do Parque promove conexões, oportunidades de negócios e fomento no processo de inovação de suas empresas/instituições.  

 

A tecnologia já é peça fundamental para a sobrevivência das empresas e abre novos caminhos no paradigma da economia criativa. É o que provam as novas empresas de base tecnológica recebidas pelo BH-TEC. A nova residente Clipping CACD inova no compartilhamento de informação, com curadoria especializada de conteúdo. Esta última tendo crescido 283% desde a sua fundação.  Dentre as não-residentes, estão a Bee Start  e a Tecna Sistemas, trazendo uma solução tecnológica para vendas.

Clipping CACD

A empresa, que cresceu mais de 200% desde a sua fundação, nasceu primeiramente de um financiamento coletivo. Especializada em Clipping Digital, a Clipping CACD traz um roteiro completo sobre a agenda política nacional e internacional. A plataforma cresce e ganha espaço na área da educação, com curadoria especializada de conteúdo. O objetivo, descrito por Rafael Costa, CEO da empresa, é democratizar a informação.

No ano passado, a Clipping alcançou a marca de 90% no índice de aprovação do Concurso de Diplomacia, número 20% maior do que seus concorrentes. Talvez a receita do sucesso esteja na “oportunidade de usar a tecnologia como meio para proporcionar conteúdos qualificados e por preços cada vez mais acessíveis”, como afirma Costa.

Agora como residentes do Parque Tecnológico, a Clipping se encontra em um momento de expansão e proximidade com a universidade. Costa acredita que estar no BH-TEC é estrategicamente importante para atração de mão de obra qualificada

Tecna Sistemas

Detectar e resolver problemas com a tecnologia é o foco da Tecna Sistemas. Desde 2007, Rodrigo Lara, fundador da empresa Tecna Sistemas, trabalha com a integração do how-know das ferramentas do CRM (Gestão de Relacionamento com o Cliente, em português) a fim de discutir e criar estratégias de Sales Cloud e Salesforce.

O empreendimento de Rodrigo integra o berço inovador do BH-TEC desde abril, como empresa não-residente, e afirma que “essa aproximação física possibilita não só a integração tecnológica dos nossos produtos com aqueles que estão nascendo no Parque, mas uma maior troca entre os atores do ecossistema”.

A empresa nasceu através de uma necessidade do próprio fundador ao se deparar com a despreparação do mercado com a ferramenta CRM.  “Ao comprar o CRM, percebi que não existia um parceiro local para atender às minhas necessidades. Pensei então em criar o meu próprio negócio, abrangendo este público que, assim como eu, se via sem opções no mercado”, relembra.

Bee Start

O projeto saiu da incubadora e ganhou vida em 2014, após integrar a INOVA (Incubadora de Empresas da Universidade Federal de Minas Gerais). “Para empreender na área digital, o conhecimento técnico é fundamental”, ressalta. O fundador da Startup diz que muitas ideias morrem antes da sua eclosão por falta de aplicabilidade técnica.

A Bee Start é focada no desenvolvimento digital, pesquisa de mercado, comercialização e captação do produto no mercado. Na empresa de Davi, uma simples ideia pode virar um grande empreendimento de sucesso.

Com três pilares fundamentais: design, desenvolvimento digital e business, a empresa não-residente do BH-TEC vê no Parque a possibilidade de interação e compartilhamento de experiências e conhecimentos. “O ambiente é muito atrativo e isso é importante para que as coisas aconteçam, como trocas de ideias e interação com nichos tecnológicos e com a produção de conhecimento”, finaliza Mattar.

Com origens diversas, desde o financiamento via crowdfunding à participação em incubadoras como a INOVA (Incubadora de Empresas da Universidade Federal de Minas Gerais), os empreendimentos chegam para completar e contribuir com o nosso ecossistema tecnológico, que integra e fortalece a cena efervescente da inovação mineira, além de aproveitarem todo o universo de oportunidades que o BH-TEC oferece.

Deixe uma Resposta