Anbiotec conquista 1º lugar em Inovação

Por 20 de novembro de 2017 Sem categoria Sem Comentários
_MG_9514

Concorrendo com os principais Polos de Tecnologia do Brasil, ANBIOTEC é premiada em 1º lugar no Edital do MDIC, em parceria com a ABDI. Dentre os 15 projetos inscritos, apenas 4 foram selecionados. Recurso será investido para o fomento no Setor de Biotecnologia da capital mineira. 

A Associação Nacional de Biotecnologia e Ciências da Vida (ANBIOTEC) conquistou o 1º lugar no Edital de Chamamento Público 01 APL/2017 do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços no quesito inovação com o projeto “Desenvolvimento, customização e implantação do sistema de inteligência competitiva para apoio ao processo de inovação em empresas do setor de biotecnologia e produtos para saúde do APL de biotecnologia da região metropolitana de Belo Horizonte”.  Ao todo foram 15 projetos inscritos e oito selecionados. Destes, os quatro melhores colocados foram habilitados e receberão apoio de até R$ 200 mil para o desenvolvimento de projetos voltados à produtividade e inovação. O resultado foi divulgado na última semana em um evento realizado pela Agência Brasileira de Desenvolvimento da Indústria (ABDI) durante a 8ª Conferência Brasileira de APLs que aconteceu em Brasília

 A Região Metropolitana Belo Horizonte é o maior cluster de biotecnologia do país. Aqui, estão instaladas 119 empresas, o que corresponde a 30% do total brasileiro, empregando cerca de cinco mil pessoas. A ANBIOTEC também está sediada na cidade, dentro do Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-TEC), agregando força ao setor. Isso porque, embora BH tenha produção de conhecimento muito significativa na área, é necessário apoio para que os negócios possam se adequar às exigências regulatórias.

O APL de Biotecnologia da Região Metropolitana de Belo Horizonte, ganhador do chamamento público, vai investir em inteligência para inovação. “Será criada uma ferramenta de análise de mercado. Com o mecanismo, as empresas vão entender as demandas e organizar quais passos devem ser dados e em quais direções”, explica a coordenadora executiva do projeto, Vanessa Silva. O dinheiro vai servir para contratar consultoria e base de dados para a ferramenta. Serão investidos R$ 200 mil pela ABDI e outros R$ 90 mil em contrapartida das empresas. “A iniciativa é inovadora porque não existem projetos de mapeamento de dados nesta área, que ainda se preocupem em analisar como o mercado está recebendo as soluções apresentadas”, destaca Vanessa. O APL de Biotecnologia tem 50 empresas ativas atualmente.

O peso da instituição

Considerado o maior polo de biotecnologia da América Latina, a ANBIOTEC conta com 60 associados – dos quais 10% estão fora do estado de Minas Gerais. O segmento é muito diverso, mas dentre as associadas, as áreas mais fortes estão ligadas ao diagnóstico humano e veterinário. Há, também, empresas de software, materiais médico-hospitalares e consultoria.

Unir demandas tão diversas em uma representação única é um dos desafios que a instituição vem tentando vencer. Negócios em biotecnologia estão submetidos a numerosas regulamentações, que eventualmente são modificadas. A Anbiotec funciona como uma ponte entre os interesses privados e as exigências públicas, trabalhando tanto para transformar demandas individuais em solicitações de peso quanto para facilitar o processo de adaptação das empresas às regulamentações.

Contando com o reconhecimento de órgãos governamentais como a Anvisa, a ANBIOTEC garante autoridade para exigir posicionamento da esfera pública diante das principais demandas do setor. “É uma forma de fazer a representação sem que a empresa tenha que entrar diretamente no processo. Como um grupo que representa a voz de dezenas de companhias, nossa atuação ganha mais peso. Falamos em nome de todo um setor”, esclarece o Presidente da Associação, Sílvio Arndt.

Fonte: BH-TEC/ABDI

Deixe uma Resposta