BH-TEC anuncia expansão baseada em modelo pioneiro no Brasil

Por 30 de dezembro de 2016 Sem categoria Sem Comentários
novo_predio_bhtec

Primeiro Parque Tecnológico brasileiro a expandir seguindo o modelo BOT (Build, Operate And Transfer), BH-TEC terá edifício de 16 mil m² para abrigar novas empresas de tecnologia. O parceiro imobiliário do Parque será um consórcio liderado pela PHV Engenharia, que conta também com a CODEMIG Participações e HET Construções e Participações, vencedor da licitação encerrada em 30/12.

A inovação sempre fez parte do DNA do Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-TEC) e a sua forma de crescer não poderia fugir dessa característica. O BH-TEC anunciou nesta sexta-feira, 30, o consórcio vencedor da licitação aberta em novembro para construir o próximo edifício de 16mil m², ao lado do edifício Institucional já existente. A PHV Engenharia, lidera o consórcio, em parceria com a CODEMIG Participações e a HET Construções e Participações. Concluído o processo do certame, o BH-TEC torna-se o primeiro Parque Tecnológico no Brasil a realizar sua expansão seguindo o modelo BOT (Build, Operate And Transfer), amplamente utilizado em parques dos Estados Unidos. O investimento total é de aproximadamente R$ 60 milhões e a previsão é de que as obras estejam concluídas em até dois anos.

Conheça o Modelo

O modelo da licitação foi desenvolvido sob coordenação do Banco do Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG). A estratégia adotada, considerando que o terreno pertence à UFMG, estabelece que o licitante vencedor fará o investimento imobiliário no modelo BOT. O prédio, uma vez construído, será propriedade da Universidade, mas o parceiro terá a concessão para operá-lo por 30 anos, contados a partir da obtenção do alvará de construção. Após esse período, a posse será transferida à Universidade, que manterá o Parque, mas auferindo integralmente a renda de aluguéis.

Pioneirismo

Ao todo, no Brasil, existem cerca de 80 Parques Tecnológicos em várias fases de desenvolvimento, dentre eles, 28 já em operação. Os Parques têm como objetivo comum o desenvolvimento econômico pautado na inovação, porém, cada instituição possui um modelo de atuação próprio.

Embora muito comum nos Estados Unidos e Reino Unido, o modelo de desenvolvimento de Parque Tecnológico com a participação da iniciativa privada nos empreendimentos imobiliários ainda não foi usado no Brasil. De acordo com o diretor-presidente do BH-TEC, Ronaldo Pena, o pioneirismo influenciou diretamente nos certames abertos anteriormente pelo BH-TEC.

“Publicamos ao longo de 3 anos um total de quatro licitações e em cada uma delas buscávamos sempre o aperfeiçoamento para adequação à realidade do mercado imobiliário. Nesse processo, tivemos um apoio muito significativo do BDMG, que coordenou todo o trabalho de modelagem da licitação”, afirma. Ainda de acordo com Pena, o sucesso dessa licitação abre as portas tanto para o setor imobiliário atuar em um novo mercado, quanto para os Parques do país resolverem suas questões imobiliárias, sem onerar os orçamentos públicos. “Este primeiro negócio em um Parque brasileiro vai descortinar para o setor imobiliário o grande potencial dos Parques Tecnológicos”, conclui.

Para o diretor-técnico da PHV Engenharia, Rogério Pinto, apesar de o mercado imobiliário não conhecer os ambientes de inovação, a PHV Engenharia interessou-se pelo projeto não só como uma oportunidade de negócio, mas também por entender a importância do movimento da ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento econômico. “A PHV sempre está em busca de novas oportunidades. Em um momento difícil para o mercado, identificamos que a tecnologia tem um crescimento grande pela frente. Acreditamos que Belo Horizonte tem perfil empreendedor e que o BH-TEC será o vetor fundamental desse tipo de crescimento. Confiamos na proposta do Parque e, junto com a CODEMIG Participações e a HET Construções e Participações, temos a certeza de que será uma aposta vencedora”, afirma.

O presidente do BDMG, e novo Presidente do Conselho de Administração do BH-TEC, Prof. Marco Aurélio Crocco, enfatiza o apoio do Banco à expansão do Parque, desde o início, na coordenação da modelagem do projeto de licitação. Tudo isso em acordo com a característica inovadora do Banco e o apoio do Estado ao BH-TEC. “Agora com a expansão mudaremos a escala do Parque. Tendo condição de receber mais empresas, poderemos reformular a estratégia do Parque. O BDMG tem como objetivo ser conhecido como o Banco da Inovação em Minas Gerais e o apoio do Banco no projeto de expansão reforça essa nossa característica e a relevância da relação do BH-TEC com o Estado de Minas Gerais”, conclui.

Resultados/Expectativa

Inaugurado em 2012, o BH-TEC atualmente abriga 17 empresas de base tecnológica, a Associação Nacional de Empresas de Biotecnologia (ANBIOTEC) e três centros de tecnologia da UFMG, CT Nanomateriais de Carbono, CT Web e CT Vacinas. Ao longo desses quatro anos de operação, as empresas do Parque já apresentam resultados consideráveis: lançaram 182 novos produtos ou serviços e 69 novos processos, faturaram mais de R$ 229 milhões, investiram mais de R$ 23 milhões em P&D e pagaram mais de R$ 37 milhões em impostos.

Para Ronaldo Pena, a construção do novo edifício do BH-TEC é um salto importante na capacidade do parque em receber empresas de tecnologia, além de aumentar o impacto das atividades inovadoras na capital, consequentemente, refletindo no cenário econômico do Estado. “Não há possibilidade de desenvolvimento social, o que todos os povos anseiam, sem desenvolvimento econômico sustentável. A ciência e a tecnologia promovem a sustentabilidade das empresas por meio da inovação contínua dos produtos e dos processos. É fato aceito internacionalmente que os Parques Tecnológicos aceleram o processo de inovação das empresas residentes, daí a importância dos Parques para o desenvolvimento de qualquer região”, conclui.

Deixe uma Resposta